Confiabilidade do teste é de 99%, com o melhor custo benefício do mercado

A Cummins Brasil oferece no mercado brasileiro um produto capaz de detectar a presença de minerais no Arla 32, Agente Redutor Líquido Automotivo. Para contribuir com o bom funcionamento do caminhão, a Cummins CheckArla, já disponível na rede de Distribuidores da empresa, foi desenvolvido para evitar danos aos componentes do sistema de tratamento de gases SCR – Redução Catalítica Seletiva.

De acordo com Thiago Martins, engenheiro de Serviços da Cummins Componentes, “o CheckArla traz como vantagem sobre os demais produtos de checagem disponíveis no mercado a detecção da presença de minerais, sendo que o excesso deste minerais presentes no Arla 32 compromete o funcionamento do sistema de injeção do agente e na perda de performance do catalisador”.

Ainda segundo o engenheiro, qualquer coloração diferente do azul indica que o Arla 32 foi fabricado com água que contém minerais acima do permitido. E para evitar os transtornos com paradas para manutenção e despesas com o elevado custo das peças (catalisador, bico injetor, unidade dosadora etc), a Cummins recomenda antes de abastecer o veículo, o teste do Arla que será utilizado para evitar maiores problemas.

O manuseio do CheckArla é bastante simples: basta retirar 5 ml da amostra a ser analisada, adicionar uma gota do Cummins CheckArla, misturar e verificar o resultado conforme consta no manual de instruções do produto. “Assim, o usuário irá garantir o bom funcionamento do seu equipamento, assegurar que o Arla 32 utilizado está dentro do especificado pela ISO 22241-1, além de atender às  normas de emissões Proconve P7 / Euro V”, afirma Martins.

Entre os problemas mais comuns com o Arla 32, o uso da ureia agrícola conta com elementos químicos que entopem e danificam o sistema SCR. A ureia com resíduos contaminada com a sujeira ou terra durante o manuseio e transporte do Arla, tornam a substância inadequada. A temperatura e incidência de luz solar também comprometem a validade do agente de ureia.

Todo o transporte do Arla 32 deve ser feito com materiais compatíveis como, por exemplo, aço inox. Já a utilização de água mineral, água de torneira ou água não-desmineralizada no reservatório pode entupir ou prejudicar o sistema SCR, pois possuem contaminantes inapropriados, como cálcio e potássio.

Outras notícias