A cada três caminhões vendidos no Brasil, um tem motor Cummins
 
A Cummins Brasil está alinhada com a retomada dos mercados em que atua e registra aumento de 60% na produção de motores, com um total de 22 mil unidades produzidas no primeiro semestre de 2018. O segmento automotivo representou avanço de 59% no mesmo período e o crescimento foi positivo também no segmento de ônibus (+75%), construção (+58%), geradores (+39%), entre outros.
 
Com participação significativa no mercado automotivo nacional, a Cummins Brasil equipa atualmente 57% dos caminhões Light Duty, 67% do segmento de médio porte (Mid Range) e 11% dos pesados (Heavy Duty). No acumulado de 2018, a projeção da companhia é elevar a produção de motores entre 40% e 45%, levando em consideração um segundo semestre mais aquecido economicamente.
 
"A Cummins Brasil segue fortalecida. Fizemos reestruturações responsáveis  e  conseguimos  atender à demanda incorporando mão de obra na medida em que os volumes cresceram. Apesar de um cenário de incertezas -­‐‑ grau de confiança, eleições, variação cambial etc. -­‐‑, continuamos moderadamente otimistas, com plena consciência de que já superamos o pior momento", comenta  Luís  Pasquotto,  vice-­‐‑presidente  da  Cummins  Inc.,  presidente  da  Cummins  Brasil  e responsável pela Unidade de Negócios de Motores da Cummins na América Latina.
 
Produtos -­‐‑ Um dos grandes destaques do segmento automotivo em 2018 foi a nova aplicação Cummins no Ford Cargo Power, dotado de motorização ISB 6.7 com maior potência e economia. Para atingir os 310 hp de potência e torque de 1.100 Nm, a engenharia da Cummins desenvolveu soluções a partir do turbo Holset, desenvolvido pela Cummins Turbo Technologies, que teve sua vazão de ar e torque máximo revisados. Outra melhoria foi a otimização da combustão do motor.  

Na linha VW, os caminhões Delivery -­‐‑ equipados com motores ISF 2.8 e 3.8, turbos, filtros e sistema  de  pós-­‐‑tratamento  Cummins  -­‐‑  continuam  se  destacando  no  mercado  brasileiro  e internacional, onde as exportações apresentam crescimento.  Com  as  soluções  Cummins,  o  modelo oferece desempenho superior e economia de combustível.
 
No Brasil e na Argentina, a Cummins também equipa 100% dos ônibus e caminhões Euro5 fabricados pela Agrale.
 
Resultados mundiais e investimentos -­‐‑ A Cummins Inc., por sua vez, registrou recorde de faturamento no segundo trimestre de 2018 (US$ 6,1 bilhões e aumento de 21% em relação ao  mesmo período de 2017) e avança a passos  largos  após  assumir  um  novo  posicionamento em suas operações globais. Presente em 197  países,  a  companhia  segue  fortalecida  para  atender  seus clientes com a tecnologia certa, no momento certo, de acordo com  a  visão  da  empresa:  inovar para impulsionar o sucesso de seus clientes.
 
Como parte da estratégia, a companhia tem realizado investimentos significativos em eletrificação e sistemas digitais; criou uma nova Unidade de Negócios, a Electrified Power (EPBU), e realizou a compra de três empresas do segmento, sendo duas fabricantes de baterias, a Brammo e a Johnson Matthey, de baixa e alta potência, respectivamente, além da mais recente, baseada no Vale do Silício, na Califórnia, a Efficient Drivetrains, Inc. (EDI), especializada na integração de trem de força.
 
"A Cummins Inc. divulgou recentemente um investimento U$ 500 milhões em eletrificação previsto para os próximos três anos. Somos uma empresa que há 100 anos é líder em soluções de powertrain e integração veicular com conhecimento profundo das necessidades de nossos clientes. A inteligência nos negócios de motores nos favorece para desenvolver a eletrificação e a nossa missão é a de ser líder também neste segmento, provendo hardware, softwares e inteligência como ninguém", afirma Pasquotto.
 
A Cummins vai oferecer uma gama de soluções em powertrain seja em diesel, biocombustiveis, gás natural ou biogás, híbridos ou elétricos, incluindo o lançamento de novas soluções Euro6 para mercados emergentes. "Ao mesmo tempo em que desenvolvemos novas tecnologias, nosso DNA é de inovação e vamos seguir investindo no aperfeiçoamento dos motores a combustão para que sejam ainda mais limpos e eficientes. Nosso objetivo é oferecer a solução mais adequada e sustentável com foco no sucesso de cada cliente independente de seu negócio, sua região e disponibilidade de energia”, comenta Pasquotto.
 
Alinhada às estratégias globais, a Cummins Brasil investiu R$ 400 milhões desde 2015 em engenharia, produtividade, ergonomia, melhorias e desenvolvimento de produto. A fábrica de Guarulhos (SP) foi modernizada com novas salas de testes para ganhos de produtividade, segurança e qualidade.
 
A Cummins entregou a tecnologia Euro VI para o mercado europeu em 2014 e, desde então vem modernizando e aperfeiçoando uma nova plataforma de motores para inserir nos mercados emergentes. Para isso, alocou um time da engenharia brasileira integrada com o desenvolvimento global com o objetivo de modernizar e aperfeiçoar os motores Euro6, tornando-­‐‑os mais acessíveis, eficientes e confiáveis.
 
A previsão para a entrega do Euro VI no México e China é em 2021, sendo que no mercado brasileiro as discussões do Rota 2030 sinalizaram como sendo em 2023.
 
Cummins Brasil – Maior fabricante independente de motores Diesel, componentes e grupos geradores, é uma corporação de unidades de negócios complementares que projetam, fabricam e distribuem motores, serviços e tecnologias relacionadas, incluindo sistemas de combustível, turbos, filtragem, soluções para emissões e sistemas de geração de energia elétrica. Presente no país desde 1974, produz uma variada gama de motores para diversos segmentos do mercado, entre caminhões de todos os portes, pickups, ônibus, aplicações estacionárias, máquinas de construção, equipamentos agrícolas, máquinas para mineração e aplicações marítimas. Sua principal unidade fabril, com capacidade de produção de 500 unidades de motores por dia, está localizada no município de Guarulhos (SP), onde estão as áreas de motores, geradores, turbos e soluções de emissões. E em Bonsucesso, a unidade Filtration instalou a fábrica em 2000.

Outras notícias